Estou curado?

João Baptista Herkenhoff

Não tenho pejo de dizer de problemas ou experiências pessoais nos textos que escrevo. Suponho que a recusa de falar de si decorre de um pudor desarrazoado. Se é com simplicidade que fazemos este ou aquele relato, nosso testemunho pode ser útil a outro que vive ou viveu a mesma angústia.

Rigorosamente, no atual estágio da Ciência, não pode alguém ser dado como definitivamente curado do tipo de câncer que me acometeu. Isto dentro de um rigor científico.

Depois da cirurgia a que me submeti, tenho de fazer exames periódicos e apresentá-los ao Dr. Roberto Zanandréa e ao Dr. Miguel Srougi, que são os médicos que me assistem. Ainda não fui dispensado desses cuidados justamente porque não há até esta data condições para apor na minha ficha – “definitivamente curado”.

As empresas não aceitam, por exemplo, firmar contrato de seguro de vida em benefício de quem teve câncer. A doença integra o elenco de moléstias que impedem a contratação.

Procurei diversas seguradoras mas todas, invariavelmente, recusaram minha proposta.

Poderia obter a adesão se omitisse a doença. Mas isso seria mentira, pois há, no formulário próprio para o seguro, pergunta explícita sobre diversas moléstias, o câncer incluído. Não me pareceu correto fazer o seguro, a partir de uma falsidade.

Mas penso como Chico Buarque que, em maravilhosa composição, falou daquela pessoa que cuidou, cuidou, cuidou porém “morreu em frente à companhia de seguros”.

Se dentro de uma visão estritamente clínica os médicos não podem firmar declaração de que estou de todo curado, eu posso firmar essa declaração, sem qualquer dúvida: “estou definitivamente curado”, “eu me declaro definitivamente curado”.

Mas o que é isto de estar definitivamente curado? É estar livre da morte? Obviamente que não. Talvez nenhuma verdade, na face da Terra, seja tão evidente quanto esta: todos vamos morrer.

Estar curado, depois de uma doença, não significa ter passaporte para a vida eterna no curso desta existência que é, de si e por si, transitória. Estar curado nem mesmo é a garantia absoluta de morrer de enfermidade diversa daquela que nos atingiu um dia.

Parece-me que outro deve ser o conceito de cura.

Cura é saúde depois da doença. Esta saúde depois da doença tem um sentido bem mais amplo do que o significado textual.

Eu me sinto curado porque me sinto sadio. Eu me sinto curado, não apenas porque estou vivo, mas porque minha vida, depois da enfermidade, ganhou um significado maior. Cura é na verdade um novo estágio da vida.

Antes da doença, eu supunha que minha vida fosse eterna, a morte não me dizia respeito, morte era fato que acometia outras pessoas, de morte eu só tomava conhecimento para me solidarizar com viúvas e filhos órfãos. As mortes que atingiram minha própria família, até aquele momento, não tinham sido frequentes e, na maior parte dos casos, tinham levado parentes já bem idosos.

Hoje tenho consciência da radical transitoriedade da vida. A cada manhã eu me prostro diante de Deus para agradecer “aquele dia que é me é concedido”, como se cada dia concentrasse a existência inteira.

Eu me sinto curado porque sorvo a vida que me foi acrescentada.

Eu me sinto curado porque é com alegria que celebro a existência, este supremo dom de Deus.

Eu me sinto curado porque, depois da cirurgia feita, partilhei com minha mulher todos estes belos anos de convivência; celebrei o casamento de meu filho; vivenciei com tantos amigos alegrias e tristezas; pude servir a muitos que de mim solicitaram apoio, ajuda, conselho ou palavra; escrevi livros; publiquei artigos em jornal; fiz palestras para milhares de jovens; viajei pelo Brasil e pelo mundo; transmiti crenças e esperanças; testemunhei valores. E agora, como se tudo isto não bastasse, tornei-me avô com o nascimento de uma netinha que se chama Lis.

João Baptista Herkenhoff, 76 anos, magistrado aposentado, Professor itinerante pelo Brasil afora e escritor (45 livros publicados). Autor de Filosofia do Direito (2010) e Dilemas de um juiz: a aventura obrigatória (2009), ambos editados sob o selo de GZ Editora, Rio de Janeiro.

Publicado por Amazonas Em Destaque

Um blog com os principais fatos e destaques do Estado do Amazonas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers gostam disto: