Governador Omar Aziz viaja a cinco municípios

Na programação está a inauguração da primeira fábrica de Bacalhau da Amazônia, em Maraã

         O governador Omar Aziz retoma a agenda de viagens pelo interior do Estado e visita, entre esta quinta e sexta-feira (25 e 26 de agosto), cinco municípios da região do Triângulo Jutaí/ Solimões/Juruá –   Maraã, Japurá, Tefé, Uarini e Alvarães. Na agenda principal de compromissos está a inauguração da primeira indústria de “Bacalhau da Amazônia”, em Maraã, além da inauguração de uma escola e da estrada Alvarães-Nogueira, em Alvarães. O governador também dará continuidade à rotina de entrega de notebooks, beneficiando 1.602 professores nos cinco municípios.

         Na primeira escala, o município de Maraã (a 635 quilômetros de Manaus), o governador terá a companhia do ministro da Pesca e Aquicultura, Luiz Sérgio de Oliveira, e dos senadores Eduardo Braga e Vanessa Grazziotin. A comitiva desembarca às 9h e às 10h está prevista a inauguração de uma fábrica de salga de pirarucu (ver coordenada). Em seguida, no ginásio municipal Arlindo Pereira da Silva, acontece a solenidade de entrega de 316 notebooks para professores da rede municipal.

         À tarde, o governador segue viagem para Japurá (a 774 quilômetros de Manaus), onde 153 professores serão contemplados com notebooks. A solenidade de entrega acontece às 14h20, na Escola Estadual Dorotéia de Souza Braga. O primeiro dia de jornada encerra em Tefé (a 570 quilômetros de Manaus), com a entrega de computadores portáteis para 682 professores municipais, evento marcado para 19h30, no ginásio poliesportivo Professor Edézio de Pinho.

         De Tefé, a comitiva do governador segue de barco para Uarini (a 568 quilômetros de Manaus), com previsão de chegada às 9h, para a entrega de 243 notebooks a professores municipais. A chegada em Alvarães (a 538 quilômetros de Manaus), última parada, está prevista para 14h, para participar da inauguração da Escola Municipal Mayara Redman e a entrega de 208 notebooks. Às 15h, acontece a inauguração da Estrada Alvaraes/Nogueira.

         Infraestrutura – A estrada Alvarães-Nogueira liga a sede do município à comunidade de Nogueira, atravessando o lago de Tefé. Possui 13 quilômetros de extensão e é a principal via para o escoamento da produção e alimentos no município. Nessa obra, o Governo do Estado investiu R$ 3,6 milhões em serviços de terraplenagem, pavimentação e drenagem.  

         Além da agenda oficial, o governador tem aproveitado as viagens aos municípios para reunir com prefeitos, vereadores e lideranças para tratar dos projetos visando o desenvolvimento da economia, dos serviços públicos e da infraestrutura dos municípios. Desde abril deste ano, foram visitados onze municípios.

Amazonas terá a primeira indústria de bacalhau da América do Sul

         O Governo do Amazonas inaugura, na quinta-feira, 25 de agosto, a primeira indústria de bacalhau da Amazônia. Única da América do Sul, a unidade foi construída em Maraã (a 635 quilômetros de Manaus) e tem capacidade para processar até 1,5 mil toneladas de pescado por ano. Com a operação da indústria, cerca de 5.150 empregos serão gerados, dos quais 5 mil indiretos, em Maraã, no município vizinho Fonte Boa e entorno, o que corresponde a 13% da população das duas cidades.

         A indústria em Maraã é resultado de um convênio firmado entre a Secretaria de Produção Rural do Amazonas (Sepror) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Ministério da Ciência e Tecnologia, no valor de R$ 1,2 milhão. A estimativa da Sepror é que o faturamento da fábrica alcance R$ 37,5 milhões com a produção de 1,5 mil toneladas de pirarucu e outros peixes por ano, considerando a tonelada no valor de R$ 25 mil no mercado. 

         Inicialmente, a indústria de salga será administrada por meio de parceria entre a Sepror e a Associação Amigos do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, que também participa do projeto. O pescado será comprado das comunidades do município e entorno e, após processado e vendido, terá seu lucro dividido entre os fornecedores do pescado. A expectativa é transferir a administração da unidade para organizações de produtores do município, após um programa de capacitação que será coordenado também pela Sepror.

         Fonte Boa (a 680 quilômetros de Manaus) também se prepara para inaugurar, ainda este ano, outra unidade de beneficiamento de pescado, que vai produzir o bacalhau da Amazônia, além de processar outros tipos de pescado. O investimento, da ordem de R$ 2 milhões, é fruto de convênio com a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), e vai resultar em uma fábrica com capacidades para produção de até 3 mil toneladas por ano, com faturamento da ordem de R$ 75 milhões. 

            A escolha dos municípios de Maraã e Fonte Boa deve-se ao fato da região produzir 85% do pirarucu manejado do Amazonas, na reserva de desenvolvimento sustentável Mamirauá. Mas nem só Mamirauá vai abastecer as indústrias. As demais reservas sustentáveis do Estado também abastecerão as fábricas com o pirarucu e outros pescados.

            O pirarucu é uma das espécies de peixe que pode ser utilizada para produção do bacalhau, um subproduto gerado por meio do processo de beneficiamento, a salga, que, no Amazonas, seguirá padrões europeus. Atualmente, cinco peixes são utilizados para a transformação em bacalhau: o Gadus morhua, o Saithe, o Ling, o Zarbo e o Gadus macrocephalus. Peixe exclusivo da bacia amazônica, o priarucu pode atingir até três metros de comprimento e pesar até 250 quilos. Além da carne, grande parte do peixe pode ser utilizada comercialmente, a exemplo das escamas, língua e pele.

            Beneficiamento – Sessenta por cento do peixe processado é transformado em mantas (filé), dos quais 65% são aproveitados pelo processo de salga. No processo de beneficiamento, é feito inicialmente a remoção da escama e descabeçamento, que geram subprodutos, como as escamas e a língua, que podem ser aproveitadas para o artesanato. Com a retirada das vísceras, é possível obter outros subprodutos, como o fígado, vesícula, coração e pulmão, que podem ser utilizados na produção de patês, óleos, farinhas e extratos.

            Retorno social O projeto das indústrias de salga inclui a instalação de creches para as funcionárias e pescadores que tiverem filhos, a construção de áreas de lazer e o principal: a participação no lucro do empreendimento por parte dos pescadores que fornecerem matéria-prima para a indústria.

 FOTO ALEX PAZUELLO

Publicado por Amazonas Em Destaque

Um blog com os principais fatos e destaques do Estado do Amazonas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: